Páginas

Translate

mapa

translator

contador

ClustrMaps

ENOBLOGS

terça-feira, 13 de julho de 2010

Período D. Diogo de Souza

09-Out-1809 a 13-Nov-1814 -

Período da administração do primeiro Capitão-general, o Governador da Capitania do Rio Grande de São Pedro, o Conselheiro e Capitão-general Dom Diogo de Souza, Conde de Rio Pardo.

09-Fev-l811 -

Estacionou no Rio Ibirapuitã a Artilharia de São Paulo, mais um corpo de Cavalaria Ligeira, sob o comando do Marechal de Campo de Infantaria Joaquim Xavier Curado.

15-Fev-1811 -

Criada a Vara Eclesiástica de São Luís a que estavam subordinados os Sete Povos, sob as ordens do Vigário José Paim Coelho de Souza, nomeado neste dia.

24-Mai-1811 -

D.Diogo encontra-se no Rio Ibirapuitã.

25-Mai-l8ll -

D. Diogo segue em direção a Bagé, seguindo a ala direita de seu exército sob o comando do General Joaquim Xavier Curado.

03-Jun-l811 -

D. Diogo pede reforço ao Conde de Linhares para a dar garantia às fronteiras do Rio Grande.

01-Jun-1811 -

O Governador e Capitão-general, Dom Diogo de Souza, acampou nas margens do Arroio Inhanduí, onde surgiu um acampamento composto por bugres, soldados, mascates, gentes de todas as partes que logo se uniram contra os espanhóis.

Ali, o exército permaneceu durante o inverno, preparando-se para invadir o Uruguai.

Marcou a primeira organização do povoamento de Alegrete, desde que uma aldeia iria surgir no local, mesmo após partir o Governador.

Aos soldados ali estacionados foram se juntando os índios.


Na margem esquerda do Ibirapuitã se encontrava estacionado o contingente do Coronel Thomaz da Costa Correa Rabelo e Silva.

Maio-1811 -

As terras do Povoado -

O Tenente-Coronel José de Abreu em suas terras situadas a 4 léguas de Alegrete (24 km) e 1 km abaixo do Passo dos Guedes, em campos da Estância Santa Amazília à margem do Inhanduí cedeu uma fração para a fundação da povoação e para o seu rossio (praça) ou logradouro.

As terras foram doadas aos Sacerdotes José Paim Coelho de Souza e Joaquim de Sá Souto Maior e aos interessados civis.

Os proprietários das casas a construir, deviam pagar um foro, para a sustentação da Capela, que seria dedicada a Nossa Senhora da Aparecida.

Jun-1811 -

O Príncipe português, D.João (futuro D. João VI), ordena que se concentre no Rio Grande um Exército de Observação, chamado depois de Exército Pacificador, cujo comando entrega ao Capitão-General D. Diogo de Souza.

Sua finalidade era evitar que as lutas do Prata atingissem o nosso território. Dividiu a tropa em duas colunas:


1º) Comandada pelo Marechal Manuel Marques de Souza, que acampou junto aos Cerros de Bagé


2º) Comandada pelo Marechal de Campo Joaquim Xavier Curado, estabelecido no Ibirapuitã, recebendo o nome de Acampamento de São Diogo (hoje em Livramento).


Destacou-se do Exército uma coluna: Comandada pelo Coronel João de Deus Mena Barreto, para guarnecer as Missões.

D. Diogo de Souza, em revista ao teatro de operações, vindo de São Borja, chegou ao Povoado de "Aparecidos" (futuro local do povoado, da Capela Queimada e do Cemitério) em junho de 1811.

20-Jun-1811 -

D.Diogo comunica ao Conde de Linhares ter estabelecido o seu Quartel-general em Bagé e estar preparando os meios para levar a boa execução à Campanha de Montevidéu.

07-Jul-1811 -

D. Diogo de Souza marchou com o Exército em socorro ao Governador de Montevidéu Francisco Xavier Elío.

Então, o povo que ficara no acampamento e que logo se transportou para a Coxilha de São Sebastião (em Bagé), ocupou quase todos os ranchos deixados pelas tropas, sendo, em um rancho, colocada a imagem de São Sebastião, trasladada da referida Coxilha no inicio de 1812. (?)

17-Jul-1811 -

D. Diogo, Comandante-em-chefe do Exército Pacificador, sai de Bagé em direção a Jaguarão.

Funda Bagé nesta data com a licença de provimento da Capela, por uma Provisão Eclesiástica. (?)

Observação:

D. Diogo, ao regressar a Portugal e após a sua gestão como Vice-Rei da Índia, foi agraciado, já o Brasil independente, com o titulo de Conde do Rio Pardo.

Nada nos interessa, pois, o Condado do Rio pardo concedido a D. Diogo que governou o Rio Grande do Sul de 09 de Outubro de 1809 a 13 de Novembro de 1814, tendo fundado Bagé (17 de Julho de 1811), São Diogo de que nasceu Santana do Livramento, etc.

23-Jul-1811 -

O General Manoel Marques de Souza, comandando a vanguarda do Exército de D. Diogo, entra em Cerro Largo.

1811-1812 -

No período da Campanha Pacificadora do Uruguai -

Francisco Javier Elío, designado Vice-Rei do Prata, não teve autoridade reconhecida pela Junta Governativa de Buenos Aires. Pediu ajuda ao Regente do Brasil, D. João, o qual propôs à Junta tornar-se mediador de uma tripartição do poder no Prata.

A Junta recusou.

D. João agiu.

Um Exército de Observação a mando de D. Diogo de Souza, 23 de Julho de 1811, entrou em território uruguaio, venceu em Paysandu, Arapeí, Alcorta, Daimán, Japeju, Laureles, mas em marcha batida sobre Montevidéu foi sustado pela notícia do armistício celebrado sem audiência portuguesa entre Elío e seus contestadores.

Argumentou-se com forte pressão inglesa para que tal sucedesse e Portugal não chegasse ao Prata. Ainda que desagradado e observando o crescer do líder José Gervásio Artigas, o futuro grande adversário do Brasil, o Exército Pacificado voltou ao Rio Grande.

1811 -

Forças no Inhanduí -

Terminada a campanha de 1811-1812, o Governador D. Diogo de Souza mandou que um força portuguesa acampasse à margem direita do Arroio Inhanduí, no local chamado pelos índios de Ararenguá.

No fim de pouco tempo, afluíram para esse ponto algumas famílias de militares e vários paisanos, que fundaram uma pequena aldeia, cuja Capela tinha a invocação de Nossa Senhora da Conceição Aparecida.

A pequena aldeia teve rápido desenvolvimento.

Esse local também era conhecido como Povoado dos Aparecidos e seus habitantes eram chamados de "aparecidos".

Fonte:


Alegrete em Fatos - Prof. Danilo Assumpção Santos (Diretor do CEPAL - Centro de Pesquisa e Documentação de Alegrete), edição lançada em jan/2007, promovida pela Prefeitura Municipal de Alegrete e Nosso Guia.
CEPAL:
cepal@gmail.com / Tel: (55) 3422 4585

disponível em: http://www.alegrete.com.br/alegretenovo/modules/cronologiahistorica/

Nenhum comentário: